Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um dia faço um blog

Comentários que merecem resposta #3

Olá, minha boa gente.

Devo começar pelas cordialidades do costume, até porque este par de meses em que não meti cá os pés assim o exige. 

Espero portanto encontrar-vos a todos de boa saúde, felizes da vida porque já é primavera e alegres com a chegada do ansiado fim de semana. 

Parece estar tudo mais ou menos igual, pelo menos no que diz respeito ao movimento blogosférico que tão pouco tenho acompanhado. 

Hoje quis o universo que a minha hora de almoço fosse dedicada a espreitar este espaço que parece ter sido deixado ao abandono, ler os vossos comentários, espreitar um ou outro post de uma ou outra blogger e enfim, escrever-vos para vos falar qualquer coisinha. Vejo que continuam a frequentar o blogue, o que não deixa de ser positivo, vejo também que ontem alguém chegou aqui através da busca "quando se falha em tudo na vida". Espero que tenha encontrado resposta em algum dos meus posts pouco sérios e tão dedicados a dissertações quase ao nível do Gustavo Santos. 

Entre os milhares de comentários (cof cof cof) que tinha por aprovar, um deles destacou-se. Fez o meu coração fervilhar numa vontade imensa de lhe responder. Nos entretantos dei uma vista de olhos à minha caixa de email, sendo que também recebi algumas questões semelhantes, pelo que decidi tentar acalmar estas mentes saltitantes e responder na primeira pessoa. 

O nosso comentador (sim nosso, que sinto que já temos intimidade suficiente para isso) diz o seguinte:

" Mas para que raio queres o blog? Nao escreves um post à meses ! "

 

Há que admitir que é uma pergunta pertinente. Ignorando aquele erro ortográfico, poderia mesmo dizer que é uma pergunta, seguida de uma afirmação, que até faz algum sentido. 

(Momento em que quem não viu o erro na frase logo na primeira leitura pára TUDO o que está a fazer e entra aqui. Depois não digam que não sou vossa amiga.) 

 

Estava eu a dizer que a pessoa em questão tem razão. De facto não escrevo um post há mais de dois meses. Para ser absolutamente sincera, não tenho publicado nada porque não me tem apetecido. Sim, é chocante mas é verdade. Parece quase impossível alguém que tenha um blogue passar um longo tempo sem ter vontade de escrever uma palavra (pelo menos que fique pública aos olhos de todos) mas eu, completamente sem vergonha, admito. Pior do que não ter vontade de escrever é mesmo admiti-lo. Venham daí os chicotes, eu sei que parece quase impossível. Afinal de contas, quem tem um blogue até pode passar um tempinho sem o alimentar, mas pelo menos que diga que é porque esteve muito ocupada, que o gato esteve doente, que apanhou o marido na cama com outra ou então (esta é a melhor) que esteve envolvida em imensos projetos novos e que por isso não deu mesmo para escrever.

Enfim, eu confesso mesmo que não me tem apetecido. Por motivos vários, sobre os quais não vale a pena estar a falar agora. 

Respondendo à pergunta, afinal de contas era esse o objetivo desse post, até porque para quem não tinha vontade de escrever já me estou a alongar muito: quero o blogue porque é algo meu, um espaço onde já dediquei muito tempo, onde já escrevi sobre tanta coisa e onde gosto sempre de voltar. Sim, porque eu gosto mesmo disto. Parece que não, uma vez que pouco ou nada cá tenho vindo, mas gosto. Gosto de deixar a porta aberta e voltar quando me apetece. E por vezes apetece, não pensem que não. Posso voltar daqui a uma hora, ou então só daqui a alguns meses. Mas algum dia acabo sempre por voltar. Volto sempre aos sítios onde me sinto bem e quem diria que um espaço virtual me podia fazer sentir tão bem. Escrevo porque gosto e quando quero. Quando me dá na gana. 

Compreendo o sentimento de seguir um blogue e de um dia para o outro a pessoa deixar de postar. É uma chatice, é verdade. Mas acreditem que se viesse cá debitar meia dúzia de coisas só porque sim, só porque quero manter um ou outro seguidor, só porque parece mal que isto não tivesse algum movimento, não iria ser a mesma coisa. 

Esclarecimentos feitos, vou indo que já se faz tarde. Gostei desta visita, mais ou menos breve, mas certamente com retorno. 

Seja quando for, eu volto. Volto sempre. Mais não seja para vos informar que continuo por aqui, mais ou menos em silêncio, mas que continuo a acompanhar-vos dentro do possível.

Até já!